Nova modalidade de licitação foi usada dia 15 para a compra de produtos de informática

Primeiro pregão do senado

economiza R$ 3 milhões

O primeiro pregão realizado pelo Centro de Processamento de Dados e Informática (Prodasen) para aquisição de 1,5 mil microcomputadores e 64 monitores, ocorrido na segunda-feira, dia 15, permitiu uma economia de R$ 3 milhões para o Senado, informou ontem o 1° secretário, senador Romeu Tuma (PFL-SP).
Ele salientou que essa nova modalidade de licitação, a ser adotada de agora em diante pelo Senado para aquisição de bens permanentes, tem por objetivo agilizar e baratear a compra de material e de serviços, além de tornar transparente todo o processo. Somente dessa maneira, observou, é possível evitar arranjos entre empresas que fazem parte de concorrências, com a finalidade de empurrar os preços para cima.
Os microcomputadores e monitores, a serem distribuídos para diversas áreas do Senado, foram adquiridos no pregão por R$ 4.874.592,60. De acordo com o pregoeiro, Guilherme Ferreira da Costa, a estimativa da compra era de R$ 7.930.414, tendo a Casa economizado a diferença (quase 40% do previsto). Todo o equipamento atendeu às especificações técnicas estabelecidas.

Essa é a primeira vez que o Senado realiza pregão para a compra do chamado material permanente. A prática deverá ser estendida para a contratação de serviços. Para Tuma, que trouxe a idéia para o Senado, essa nova modalidade de

Tuma_set03.jpg (9511 bytes)

Tuma informou que o pregão será usado para a compra de material permanente

compra irá substituir a licitação por concorrência, que, lembrou, é demorada.
O senador assegurou que a licitação por concorrência será mantida para aquisição de material de consumo e adiantou que os futuros pregões serão realizados via Internet.

(Fonte: Jornal do Senado)

E-mail para O JORNAL

Volta à 1.ª página