Pronto! Deu no que deu...

Agora já parece não ter mais remédio: o CEFAM (para quem não sabe, Centro Específico de Formação e Aperfeiçoamento do Magistério), essa entidade modelo de ensino médio conseguida a duras penas para Tupi Paulista e região há mais de dez anos, vai mesmo por água abaixo. Fica para as calendas.

Desaparece o mais importante núcleo estudantil do governo e de cultura básica desde o início da colonização da chamada Alta Paulista ou Zona da Mata, no Estado de São Paulo, iniciada há mais de setenta anos. E com o CEFAM, lá se vão os professores especializados, os alunos dedicados e o brilho educacional da cidade. Não é só da cidade, pois nove municípios vizinhos também gozaram, durante esses anos todos, desse pólo de cultura educacional sempre muito respeitado.

Porquê querem arrancar o CEFAM da região, ninguém sabe ao certo. Parece até, segundo os "entendidos", haver alguma pressão de faculdades particulares, o que, nesse atribulado e sem escrúpulos jogo de interesses no campo educacional, é mais do que normal. Como se observa, nem sempre a razão é soberana.

Quase todos os envolvidos com o CEFAM procuram uma boa explicação que justifique um ato tão drástico do atual Governo do Estado, contrariando a todos e a tudo, em favor de escolas e centros de formação profissional particulares onerosamente pagas. De nada valeram, nem valerão, quaisquer movimentos em defesa do CEFAM, já que o decreto, montado meio na base do "vapt-vupt", como quase todas as decisões superiores que contrariam a

vontade popular, está prontinho para ser assinado pelo governador paulista. Num gesto extremo de sobrevivência, mestres da escola, alunos e membros do governo local se empenham a todo custo em passeatas e manifestações para que o CEFAM não desapareça do mapa cultural da cidade e região. Mas, ao que parece o mal não tem mais remédio e esse desmando já é definitivo e incurável. Quem mais entende dos assuntos administrativos de Governo está garantindo a sua extinção e nada adianta ser feito.

Será uma pena o CEFAM sumir daquela região?

Nem tanto. O governo vai nos presentear, em troca, logo, logo, com uma belíssima e grande cadeia chamada Penitenciária (eu ia divulgar o futuro nome da cadeiona, mas, noutro dia, ao batizá-la, já tomei uma vasta bronca que quase me custou um processo judicial). Ali, ficarão bem instalados, com todo o conforto, sei lá quantos bandidos e traficantes.

Hallelu Yah, Aleluia!!! Será uma excelente barganha para o conceito cívico da cidade e dos tupienses, além de um ótimo negócio para a população pacata e ordeira. Vão ficar sem uma grande, produtiva e cultural escola, recebendo em troca uma grande e peçonhenta casa de custódia. Vão dispensar centenas de jovens sequiosos de cultura e futuro pra abrigar centenas de marginais condenados por perversos e hediondos crimes.

Mais uma vez está aí, diante dos nossos olhos marejados, a tristeza de um iminente futuro para uma cidade eleita recentemente como a melhor do Brasil em qualidade de vida, agora transformada em covil da bandidagem organizada. E o nosso CEFAM, surripiado pelas autoridades estaduais.

Deixa pra lá...

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página