O JORNAL já publicou matérias sobre o desamparo ao qual sucessivos governos relegaram nossas Forças Armadas a ponto de, hoje, não haver recursos sequer para alimentar os efetivos necessários à defesa nacional   (por exemplo,  www.ojornal.jor.br/05julho/exercito.htm   ). Tanto que, desde o governo FHC, boa parte dos recrutas tem sido dispensada muito antes de completar o tempo normal de serviço.

E-mail enviado recentemente por um oficial do Exército a alguns de seus antigos colegas resume a inquietante situação. Eis o que diz:

"Prezados amigos

"Em janeiro deste ano resolvi visitar o Regimento Floriano, na Vila Militar, minha primeira Unidade e onde servi durante seis anos como Capitão. Lá se encontra hoje um Grupo AP.

"Percorri parte do quartel acompanhado pelo Oficial de Dia, jovem 2º Tenente da AMAN. As instalações caíram muito de padrão. Telhas quebradas, alojamentos sujos, colchões rasgados, muitas viaturas sobre lagartas indisponíveis etc.

"Fui informado pelo Tenente de que os ranchos das praças, dos Oficiais e dos Sargentos estão sem funcionar

já há muito tempo (acho que existe o esquema de "quentinha" para o pessoal de serviço).

"O expediente é das 1300 hs às 1700 hs. Os soldados chegam no Quartel à paisana. Aliás os militares estão proibidos de usar uniforme fora do âmbito da Vila Militar. Nem em Marechal Hermes podem transitar fardados.

"Agora pasmem: o Tenente me disse que a turma incorporada em 2003 deu baixa sem jamais ter dado um tiro de Artilharia. São artilheiros, mas nunca ouviram o troar de um canhão.

"E mais ainda: me foi dito que o Campo de Instrução de Gericinó só pode ser usado após autorização concedida por uma juíza (?), e que requer muito trabalho para ser concedida.

"Sempre tenho notícias de atividades do Grupo dos Velhos Artilheiros. Aí fico pensando. O que será dos novos Artilheiros?

"Saí do meu querido Regimento arrependido de haver ido lá e inconformado com tudo que vi e ouvi. Lembrei-me de um antigo quadro do Jô Soares e quase pedi "bota o tubo"!

"Abraços do Oberlaender "

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página