A correspondência enviada por leitores a O JORNAL é volumosa e impossível de ser reproduzida na totalidade, nesta seção. Assim, a equipe de Redação tem respondido diretamente aos remetentes, por e-mail, quando se trata de consultas que envolvam mais interesse pessoal do que jornalístico. Eis, a seguir, algumas mensagens de interesse geral.

"Curativo do Século"

A reportagem publicada em nossa edição n.º 4, sob o título ""USP Descobre o Curativo do Século" -  www.ojornal.jor.br/cubafuzil/curativo.htm - continua a motivar e-mails de pessoas e empresas em busca de mais pormenores. A matéria revelou que médicos produziram um biopolímero de látex capaz de curar feridas crônicas (como ocorre no diabetes), além de restaurar esôfagos e tímpanos perfurados.

Temos respondido que todas as informações disponíveis são aquelas já divulgadas. Aliás, constam da revista PESQUISA FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) n.º 88 - 06/2003. Talvez os pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto possam acrescentar pormenores. Lá, os trabalhos de investigação científica tiveram a coordenação do médico Joaquim Coutinho Netto, do Departamento de Bioquímica e Imunologia -  http://www.fmrp.usp.br/http://www.fmrp.usp.br/ .
Outra boa fonte seria o Sr. Ozíris Silva, ex-presidente da VARIG e da Embraer, que se incumbiu da parte industrial do projeto.

"Métodos fascistas do PT"

Do prof. Francisco J. D. Santana, residente em Salvador, Bahia, recebemos e-mails solicitando a publicação de sua opinião sobre o Partido dos Trabalhadores (PT). Num deles, diz: "Concordo que o PT está usando métodos fascistas não só nas questões de publicidade, mas no campo institucional, castrando o Judiciário e o Ministério Público, no político destruindo a independência dos partidos". Acrescenta uma explicação, sob o título "O Ovo da Serpente":

"A questão fundamental não é se um partido tem direito pelos seus estatutos de expulsar ou não seus parlamentares que votem contra a orientação partidária. O problema grave é que Heloísa Helena sempre votou coerentemente. Assim, sempre defendeu coerentemente essa mesma linha desde que entrou e ajudou a fundar o PT. Por que nunca a expulsaram antes? Como é que da noite para o dia um partido muda de cara assim? O problema grave é que o PT, que existia nas cabeças dos ingênuos e dos incautos, nunca existiu, foi uma farsa e que agora se revela. Esperava-se sair do ovo uma coisa e surge outra. O ovo que os incautos ajudaram a chocar com dedicação, pensando se tratar do ovo da pomba da paz, era o ovo de uma víbora altamente venenosa. Esse é um momento altamente grave. Significa a falência total da intelectualidade de esquerda do Brasil. Viveu-se esses 23 anos a ascensão de um movimento tipicamente fascista com o falso rótulo de esquerda e ninguém percebeu. Não basta atacar Lula. A intelectualidade de esquerda tem que dar a mão à palmatória, tem que pedir perdão ao povo brasileiro. Pois Lula é coerente com a essência,

com o recheio do PT. O revestimento, o glacê de esquerda, foi uma invenção de nossa intelectualidade."

As enchentes

Noutro e-mail, o prof. Francisco J. D. Santana remete algumas questões relativas ao que se passa na Prefeitura de São Paulo. Dizendo que "perguntar não ofende", ele indaga:

"Quanto a prefeita de São Paulo gastou em publicidade no seu governo? Quanto custa um piscinão? Quanto a prefeita de São Paulo gastou com seu programa social e quanto gastou com a publicidade de seu programa social? Com a palavra o povo."

Mudança no Cemarx

O Centro de Estudos Marxistas da Universidade de Campinas (Unicamp) perdeu seu comunicador, Flávio de Castro, que precisou voltar às antigas funções na Prefeitura daquele município, devido ao  término do convênio mantido pela Secretaria Municipal de Cultura com a entidade. Flávio recebeu e-mail de O JORNAL, nos seguintes termos: "Lamentamos. Sentiremos sua falta, pois você tem prestado um ótimo serviço de comunicação ao Cemarx. Continuaremos ao seu dispor, assim como de quem venha a ficar em seu lugar, para divulgar os eventos dessa entidade em O JORNAL, mesmo não partilhando da fé marxista. Entendemos ser nossa obrigação, como jornalistas."

O crime ataca pelos celulares

O procurador de Justiça Rubens Rodrigues, residente em São Paulo, tece considerações sobre as extorsões que continuam a ser praticadas pelo crime organizado carioca através de telefones celulares, em ligações interurbanas. Diz ele:

"A falta de autoridade neste País é algo muito sério. As ameaças dos telefonemas dos presídios do Estado do Rio de Janeiro continuam. Ontem, a clínica odontológica, onde minha filha trabalha na Zona Leste da Capital, em Artur Alvim, recebeu vários telefonemas de um celular do Rio de Janeiro, fazendo ameaças e exigindo a compra de cartão para celulares, no valor mínimo de R$ 800,00.

"Todos sabem, e ninguém faz nada. O presidente Lula passeia. Márcio Thomaz Bastos, ministro da Justiça, nada faz e nós vamos pagando tudo, inclusive sob ameaças. Seria difícil controlar a venda de celulares? Claro que não. Seria impossível evitar que celulares entrassem nos presídios? Claro que não. Seria possível pseudo-autoridades tomarem alguma providência? Na atual conjuntura e com a falta de vontade que se tem notado, eu creio que, aqui a resposta é positiva. Sim. Os maus políticos precisam ser banidos de seus cargos. Chega de inércia. Estamos cumprindo ordem de bandidos. Eles ameaçam ao ponto de uma clinica odontológica, por medo, ter que ficar de portas fechadas e não atender seus clientes. É bom que se diga que, se e por acaso um desses pilantras que ameaçam por telefone for preso, não faltará a mão amiga do Presidente da República e de uma alma bondosa, como o Ministro da Justiça, para elaborar e assinar um decreto de indulto e acabar com a pena imposta. Não se trata de um caso isolado ou de sensacionalismo da imprensa, pois, há 20 dias, a dona de uma padaria do Bairro da Moóca, pessoa conhecida, também teve que enfrentar o mesmo problema. Os delinquentes exigiam os créditos. Caso contrário, o estabelecimento seria metralhado pelo PCC".

Mensagem a O JORNAL

Volta à 1.ª página