Apesar do esforço governamental para dar ares positivos ao primeiro ano do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no poder, os índices relativos a 2003 levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE indicam que o Produto Interno Bruto (PIB) – tudo o que o País produz durante o ano – encolheu 0,2%. Foi o pior desempenho desde 1992, quando houve diminuição de 0,5%.

O PIB per capita apresentou uma queda de 1,5% no período, pois a estimativa de crescimento populacional do IBGE foi de 1,3% para o mesmo período. Nos últimos 10 anos (1994 a 2003), o crescimento médio real anual do PIB foi de 2,4%, enquanto o crescimento médio real anual do PIB per capita, para o mesmo período, foi de 1%. Isto tudo significa que o Brasil e os brasileiros se empobreceram bastante no ano passado.
O consumo das famílias caiu 3,3%, enquanto o consumo do governo cresceu 0,6%. A formação bruta de capital fixo, indicador que representa a capacidade de aumentar a produção de bens no País, recuou 6,6%.

"Erro de Pessoa"

Em meio à repercussão dessa realidade negativa, o presidente Lula voltou a dizer que não pode errar. Só que alongou um pouco a fala, dando margem a protestos que foram sintetizados pela jornalista Dora Kramer [ dkramer@estadao.com.br ] em sua coluna publicada em O ESTADO DE S. PAULO no dia 10 deste mês. Escreveu ela:

"Erro de pessoa - O presidente Luiz Inácio da Silva reafirmou que não tem o 'direito de errar', mas desta vez estendeu a aplicação da exigência. Segundo ele, se errar 'o fracasso será da classe trabalhadora'.

"Não, será resultado de uma junção de administradores ineptos com políticos inábeis.

"A 'classe trabalhadora' votou, fez a sua parte. Mas daí a ser convidada à socialização do infortúnio, convenhamos, há uma distância boa."

Agropecuária impede queda maior

Graças ao desempenho da agropecuária, a retração da economia brasileira não foi maior em 2003. Segundo o IBGE, o setor expandiu-se 5%, enquanto a indústria encolhia 1% e o setor de serviços, 0,1% Dentre os subsetores da indústria, construção civil foi o único que apresentou queda (-8,6%). Os demais subsetores – extrativa mineral, serviços industriais de utilidade pública e transformação – apresentaram crescimentos de 2,8%, 1,9% e 0,7%, respectivamente. Já no setor de serviços, foram registradas quedas no comércio (-2,6%), nos transportes (-0,8%) e em outros serviços (-0,5%).
Os indicadores do último trimestre de 2003 sinalizam, no entanto, um início de retomada da economia. O PIB no período apresentou queda de 0,1% em relação ao mesmo trimestre de 2002 e crescimento de 1,5% em relação ao terceiro trimestre. A Formação Bruta de Capital Fixo, indicador de aumento da capacidade de produção da economia do País, teve crescimento de 4%, após um primeiro semestre com quedas superiores à 4,5%.
O consumo das famílias cresceu 1,6% no quarto trimestre em relação ao terceiro e o consumo do governo subiu 0,1%. As exportações de bens e serviços aumentaram 5,5% e as importações, 8,3%.

Estatais derrubam superávit primário

O preocupante desempenho da economia sob a batuta do Partido dos Trabalhadores (PT) também está refletido na situação do superávit primário do setor público. Trata-se de dinheiro destinado a saldar compromissos da dívida pública, que, em janeiro, somou R$ 6,95 bilhões. Houve queda de 17,9% em comparação com o mesmo mês do ano passado, quando o saldo positivo foi de R$ 8,463 bilhões. Segundo o Banco Central, o resultado piorou devido ao déficit das estatais, que estão sob a administração do PT e partidos aliados. Subiu de R$ 597 bilhões em janeiro de 2003 para R$ 1,989 bilhão em janeiro deste ano.
A conta de juros também sofreu uma queda, saindo de R$ 17,632 bilhões em janeiro do ano passado para R$ 10,960 bilhões em janeiro de 2004. Com isso, a dívida líquida do setor

público subiu de R$ 913,145 bilhões, o equivalente a 58,1% do Produto Interno Bruto, em dezembro do ano passado, para R$ 921,854 bilhões em janeiro deste ano, ou 58,2% do PIB. A meta de superávit primário faz parte do acordo com o Fundo Monetário Internacional.

São Paulo com outro recorde de desemprego

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo permaneceu inalterada em janeiro, em 19,1% da População Economicamente Ativa (PEA). No entanto, o índice é o maior para um mês de janeiro desde o início da pesquisa, em 1985. Em janeiro do ano passado o desemprego já havia atingido recorde na Região Metropolitana, ficando em 18,6% da PEA.
Segundo levantamento divulgado pela Fundação Seade e pelo Dieese, 127 mil pessoas saíram do mercado de trabalho em janeiro e 103 mil postos de trabalho foram eliminados. O total de pessoas sem emprego chegou a 1,868 milhão, 24 mil a menos do que em dezembro.
A redução de vagas é considerada comum nos meses de janeiro, pois os trabalhadores temporários admitidos no fim do ano são dispensados. O nível de desemprego só não costuma subir exageradamente porque muitas pessoas deixam de procurar trabalho neste período em que as vagas são limitadas.
- A manutenção do desemprego é sazonal e já esperada. Neste ano, o recorde na taxa de janeiro foi reflexo do segundo semestre do ano passado, que apresentou baixo crescimento da atividade econômica - afirmou Paula Montagner, gerente de análises da Fundação Seade.
Houve redução de vagas em todos os setores da economia. A indústria eliminou 21 mil postos, principalmente de trabalho autônomo e de assalariados sem carteira assinada. Outras 25 mil vagas foram eliminadas pelo comércio e 15 mil pelo setor de serviços. O emprego doméstico e a construção civil também demitiram, com redução de 42 mil postos.
Na indústria, um sinalizador positivo foi a alta de 2,7% no setor metal-mecânico. Paula explicou que esse setor costuma criar vagas melhores e pagar salários mais altos para os trabalhadores. A preocupação é que alguns postos foram criados por empresas exportadores, o que significa que o mercado interno ainda continua sem dar sinais de recuperação.
O tempo médio de procura por trabalho na região metropolitana aumentou em uma semana em janeiro, na comparação com dezembro, atingindo 55 semanas, segundo a pesquisa. A jornada de trabalho de quem está empregado caiu de 45 horas em dezembro para 44 horas semanais em janeiro. A proporção dos que trabalharam mais do que 44 horas semanais caiu de 48,9% para 46,7%. No comércio, houve queda de 65,4% para 62,5%. Na indústria, de 49,3% para 47,4% e nos serviços de 43,8% para 41%.
Paula afirmou que a taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo deve continuar subindo nos próximos meses. Segundo a gerente de análises da Fundação Seade, não há previsão de criação de novos postos de trabalho e, como ocorre todos os anos, as pessoas que deixam de procurar emprego no início do ano, principalmente mulheres e jovens, retornam ao mercado de trabalho a partir de março e abril.
Para a economista, apenas o crescimento contínuo da atividade econômica poderá elevar o nível de emprego no país. Para o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, a queda do juro ajuda na recuperação da atividade e na retomada da geração de empregos, mas é preciso que a economia cresça de forma contínua para permitir o aumento dos investimentos em produção. A exportação, segundo ele, pode ajudar a aumentar o emprego, mas não é suficiente. Na avaliação dele, é preciso que o juro caia para reduzir a atratividade das aplicações financeiras, levando as empresas a investirem em produção.

Balança tem superávit de US$ 3,1 bi

Todavia, à margem de tanta informação angustiante, surgiu uma boa notícia: a balança comercial brasileira acumula superávit de US$ 3,185 bilhões em 2004, com exportações de US$ 10,652 bilhões e importações de US$ 7,467 bilhões. O resultado supera em US$ 2 bilhões o apurado no mesmo período do ano passado.
Após o carnaval, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio divulgou os dados da balança comercial brasileira referentes à terceira semana de fevereiro (dos dias 16 ao 22). No período, a balança registrou superávit de US$ 724 milhões, com exportações de US$ 1,813 bilhão e importações de US$ 1,089 bilhão.
No acumulado de fevereiro, o resultado positivo superou os US$ 1,5 bilhão. No período, a média diária das exportações somou US$ 362,6 milhões, enquanto as importações tiveram média de US$ 217,8 milhões.

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página