Computador2.gif (31302 bytes)

Interneteando

Sérgio Quintella da Rocha

serginhoqr@uol.com.br

INCOMPREENSÃO TECNOLÓGICA

A linguagem utilizada na rede mundial de computadores é suficiente para deixar qualquer professor de português com os cabelos em pé. E uma simples passada em uma sala de bate-papo é capaz de mostrar o quão baixo está o nível intelectual da maioria dos internautas, principalmente dos mais jovens.

A fim de evidenciar isso, entrei num desses "chats", após anos sem ter o mínimo prazer em fazê-lo. O escolhido foi o bate-papo do UOL (www.uol.com.br/batepapo). Coloquei o meu "nick name" e parti para as provas.

A surpresa veio logo. Primeiro, com a opção de se apresentar com carinhas, de escolher cores para o nome (nick), e por aí vai.

Assim que entrei no chat, e graças ao sugestivo apelido (...), não demorou muito para conversar com as pessoas. Confesso uma coisa: não entendi dois terços do que me perguntavam.

Começou com um " e ai vamu tc ". Tc, caro leitor, significa teclar. Tudo bem, essa passa. As exceções, claro, ficam para o "vamu", que, por sinal, é bem mais fácil do que "vamos" (sic), e pela falta de pontuação. A seguir, veio a onomatopéia "kkkkkkkkk’, que quer dizer riso. Outros "códigos" como naum (não), eh (é), tah (tá ou está), tb (também) fizeram parte da conversa (?). Como já disse, eu entendi apenas um terço do que falavam. Eram, justamente, esses exemplos. Imaginem, então, o que era o resto? Parecia um papo entre surdos. Neste caso, eu que não ouvia direito...

Há várias explicações para essa linguagem utilizada: preguiça, agilidade, comodidade, utilização de

códigos "pseudo" secretos. Talvez até comparáveis com as gírias usadas por surfistas, skatistas, clubbers etc. Porém, injustificáveis.

Está certo que o assunto não é novo, e a preocupação dos educadores com a eloqüência é constante. Entretanto, o hábito faz o costume. E, se as pessoas não ficarem espertas, logo logo seremos obrigados a engolir toda essa imposição lingüística. Também não peço textos eruditos, com altos toques intelectuais. Um simples português já é um bom sinal.

Ah, vale a pena lembrar que, dessas conversas, não conheci ninguém que me interessasse. Será que está explicado o porquê?

LIVRO DO MÊS

"O Brasil de Cabo a Rabo", ainda sem editora (em breve, novidades), elaborado pelo jornalista Assis Corrêa Neto, conta a trajetória política e econômica do Brasil. De 1950 para cá. E o mais interessante: tudo visto por dentro dos fatos, pois Assis Corrêa Neto trabalhou nos maiores e melhores veículos de imprensa deste País. Imperdível!

SITE DO MÊS

www.alltv.com.br

A primeira TV via Internet, 24 horas ao vivo, está de cara nova. Sua página ficou bem mais rápida e a interatividade aumentou. Vale lembrar que o programa Gente Que Fala, que vai ao de segunda a sexta, ao meio-dia, está cada vez melhor. E continua levando convidados de alto nível, que, não raras as vezes, são a própria notícia. A transmissão também é feita pelo canal 12 da TVA de São Paulo.

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página