matraca2.gif (20686 bytes) A MATRACA
Assis Corrêa Neto

Caciquismo foi para o lixo

Depois de espoliar o Brasil por mais de cinqüenta anos, caciques, "coronéis" e "capitães do mato" foram para o lixo, lugar onde deveriam estar há muito tempo. Já foram tarde.

Chefetes políticos corromperam, superfaturaram obras, enriqueceram, espoliaram, praticaram suborno e nepotismo.Trataram Estados e cidades, onde reinaram, como capitanias hereditárias. Promoveram a corrupção, fraudaram e viciaram eleições, mandaram matar adversários políticos, acobertaram ladrões e outros praticantes de atividades ilícitas. Seus candidatos e eles próprios entraram pelo cano, numa demonstração de que os eleitores aprenderam a julgar e repudiar aqueles que sempre os espoliaram.

Ficamos livres de figuras políticas reconhecidamente comprometidas com maus costumes, desvio de conduta e muitas irregularidades descobertas pela Policia Federal, Ministério Publico e Judiciário. Ficamos livres do caciquismo, que há décadas vem dando as cartas em todas as regiões do País. Multiplicaram-se no panorama nacional as manifestações de independência do eleitor com relação às forças mais tradicionais de suas regiões.

Ficamos livres de uma só vez de figuras carimbadas, desmoralizadas e sem credibilidade, de Norte a Sul. Eleitor não deixou o que vem de cima atingi-lo e comprometê-lo. Disse aos caciques tradicionais que seus reinados expiraram. Foram mortos e sepultados com enterro de segunda classe.

O Brasil passa por grande profunda transformação. Resgate dos valores éticos e consciência de cidadania estão na base dessa mudança.

Primeiro emprego: não há emprego

Novela do primeiro emprego continua sendo mais um sonho de verão. Como muitas coisas que não saíram do papel e se prestam a discursos inflamados e demagógicos. Rojões, antes festa começar. Anunciado com grande festa, remessa de projeto de lei ao Congresso contou até com a presença do Olodum Mirim, deu impressão de que retorno seria rápido. Não foi. Só no final de outubro último, projeto chegou à sanção, atrasando sobremaneira inicio da implementação do Primeiro Emprego.

Meta de criar setenta mil empregos para jovens, até o fim do ano, fracassou. Até agora foram criados tão-somente 1.308 empregos, embora empresas conveniadas colocassem à disposição do programa 5,4 mil vagas. Como outros, esse não está funcionando. Frustra expectativa de milhões de jovens, que entram no mercado de trabalho anualmente, mas não conseguem vagas. Primeiro emprego, sem emprego.

Profetas e messias quebram a cara

Tanto lá como cá. É uma fauna desinformada e má intencionada. Carne debaixo do angu. Só para confundir incautos e mal informados, com objetivos inconfessáveis. Assim foi a eleição para escolha do presidente dos Estados Unidos. Institutos de pesquisa de opinião, "cientistas" políticos, jornalistas, analistas, pesquisadores e falsos intelectuais mais uma vez quebraram a cara.

Tratam povo como o pateta que, na realidade, são eles. Pontificam, invocam regras cientificas para detectar uma coisa tão banal, que é a preferência da população. Hoje, reconhece quando tentam enganá-la. Sabe escolher sozinha e acerta na mosca.

Bisonhos e enfurecidos comentaristas, analistas e "achólogos" de rádio, televisão, jornais e revistas vociferando contra vitória de Bush. Acham que um cataclismo se abateu sobre o universo. Ouvintes e leitores de jornais e revistas muito mal informados por jornalistas que apresentam suas suposições e preferências como fatos. Esqueceram o que aprenderam nas academias. Ideologia suplanta informação.

Não são novas as manifestações de antiamericanismo, que crescem dia a dia.

Todos aqueles que acompanharam a campanha com isenção puderam verificar que Kerry enveredou por um caminho ousado, como o direito ao aborto, pesquisas com embriões humanos, reconhecimento de uniões homossexuais e outras coisas que abalaram o brio dos norte-americanos, mexendo com questões que entrelaçam governo e vida privada, enfeixada na expressão de valores. Isto ficou tão arraigado que, nas pesquisas de boca–de-urna, 20% dos eleitores levaram em conta ao votar os valores morais, enquanto 30% se declaram evangélicos - mais que a população em geral. Não agüentavam mais ficar ouvindo tanta simplificação por parte da elite dita intelectualizada.

Vitória de Bush, na qual poucos acreditavam, foi indiscutivelmente embasada na determinação do povo americano em preservar os valores éticos, morais e espirituais. Democratas se tornaram identificados com as formas de permissividade que americanos tradicionalistas consideram perigosas e destrutivas. Evolução de novas formas de família provocaram grande perda de raízes culturais e levaram muitos norte-americanos a buscar simplicidade, tradição e moralidade em seus líderes.

Faça o que mando, não faça o que faço

Para os amigos tudo, para os inimigos a lei. Frase usual do passado, atribuída a Getúlio Vargas e que agora voltou a ser utilizada com muita freqüência. Só para correligionários. Nossas eleições demonstraram isso. Prefeituras do PT receberam recursos a mancheias, enquanto as de oposição era tratadas a pão e água.

Manipuladas de forma despudorada e cínica, verbas orçamentárias beneficiando com propósitos eleitoreiros exclusivamente os municípios governados pelo PT.Mesmo assim sofreram acachapantes derrotas como as de São Paulo, Porto Alegre e outras cidades, desconhecendo que a democracia é o império da lei acima de governantes e governados. Garantia dos direitos do homem e do cidadão contra abusos ou prepotência dos que eventualmente ocupam o poder.

Ensino volta para o lixão

Acabou o que era doce. Poder oculto das universidades e escolas falou mais alto e o governo, que prometia revolução no ensino, capitulou. Acabou o Provão, maneira segura de avaliar grau de conhecimento dos universitários e a eficiência do ensino. Era considerado um dos principais marcos na educação do governo passado.

Na edição anterior, divulgamos que 20% dos candidatos submetidos ao exame da OAB levaram pau. Em outras disciplinas, como engenharia, medicina, odontologia, biologia e jornalismo, a última prova do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes - ENAD - apresentou níveis de aprovação sofríveis. Desespero e frustração para muitos que concluíram a licenciatura despreparados para exercer a profissão que escolheram. Profissionais desqualificados para o trabalho. Demonstração de que maioria das universidades e escolas vai atrás do lucro farto e fácil, pouco se preocupando com a qualidade do ensino.

PT, com fixação na mania de reinventar rodas, depois de quase dois anos para planejar substituto do Provão, resolveu enterra-lo. Novo exame foi realizado por uma amostra –selecionada de forma aleatória – do total dos mais de dois mil e cem cursos a serem avaliados. Sistema pode gerar fraudes, uma vez que a própria faculdade informará seu universo de alunos ao Ministério da Educação e estará livre para apresentar apenas nomes dos melhores alunos. Porteira aberta para continuar a calamidade no ensino, devida à criação de precários estabelecimentos superiores e universidades fajutas nestes últimos anos. Instituições privadas constituídas tão-somente pela atração do lucro fácil que a implantação do ensino universitário vem propiciando, com a expedição de diplomas que não corresponderão às exigências do atual mercado de trabalho.

Reunião termina em rega-bofe e samba

Camarão com pimenta rosa, risoto de galinha-d’angola e musse de chocolate. Não faltaram muita praia e refrescantes banhos de mar, escola de samba e folguedos. Depois, balada a noite toda, com demonstrações de pés-de-valsa que sambaram até o sol raiar. Esse o final feliz da 

Cúpula Presidencial do Grupo do Rio, onde se discutiram velhos e surrados temas, como paz, segurança, fome, educação, saúde, ambiente e direitos humanos e desenvolvimento. Isso tudo além do financiamento de projetos de interesse multinacional em uma região sem condições fiscais para investir, principalmente devido à dependência do polvo FMI, onde todos estão pendurados para realização de projetos de infraestrutura. Muita retórica sobre integração, cooperação e interesses compartilhados que ninguém sabe direito quais são.

Lula mais uma vez pregou a criação de uma frente latino-americana de objetivos comerciais comuns para união em defesa de um sistema unilateral, que ofereça oportunidades de desenvolvimento para todos. Tema velho. Vem desde FHC, quando presidentes, diplomatas e técnicos dissecaram a matéria que não sai do papel. Falta grana para projetos considerados utópicos, haja vista o que ocorre com o Brasil, onde portos, aeroportos, ferrovias e sistema rodoviário encontram-se sucatados.

Como sempre, não poderia faltar pomposa Declaração do Rio de Janeiro, distribuída à imprensa com vagas menções a "interesses compartilhados". Foi mais um "show" daqueles que vêm ocorrendo nos últimos anos, destacando-se muita mordomia e "dolce far niente". Futilidade e inutilidade.

Banco Santos surrupiou R$ 700 milhões

"Quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lugar vem". Velho adágio popular para identificar aqueles que metem mão na cumbuca. Dos outros.

Somos um país de impunidade, picaretagem e corrupção. Lesar patrimônio privado e público tornou-se tão banal que já nos habituamos. É rotineiro. Mas, já fazia algum tempo que não se ouvia falar de um grande escândalo no sistema financeiro. Quinze dias. E nada acontece aos malfeitores e ladrões de colarinho branco.

Surgiu agora mais um desses refinados dissipadores do dinheiro alheio. Sua mansão de cinco andares, no valor de oitenta milhões de reais, conta com galeria de arte e salões de exposições. Simulacro de Mecenas e conhecido como voraz colecionador de quadros, entre os quais Di Cavalcanti, Manabu Mabe, Gálico Emendabile e Bruno Giorgi, o dono do imóvel tem em casa um altar barroco do Século 19, fotos, esculturas, mapas, adega com 1.500 rótulos de vinhos raros, notas de cem dólares e muito mais. Tudo com o dinheiro dos depositantes de seu Banco Santos, onde, de uma só vez, foram garfados setecentos milhões de reais dos apenas setecentos correntistas, número inexpressivo e que, por coincidência, corresponde ao de clientes.

Entre os suspeitos, empresários, muitas Prefeituras e por incrível que pareça o Partido dos Trabalhadores–PT e o presidente do Senado, José Sarney, amigo intimo do dono do banco e que sacou sua "bufunfa" pouco antes da intervenção.

O caso é de policia e como tal deveria ser tratado pelo Banco Central. Envolveria a prática de um pagamento "por fora" para depósitos de vulto. Para quem? Precisamos saber! Muito estranho que o Banco Central, guardião da saúde financeira do sistema bancário, não tenha detectado o que acontecia num estabelecimento de pequeno porte, que já andava ruim das pernas há tempos.

Edemar Cid de Carvalho, dono do Banco Santos, há muito tempo preparava a cama para deitar em berço esplendido. Deitou e continua circulando impávido pelas rodas sociais das quais é assíduo freqüentador, como se nada tivesse acontecido.

Circulam nos meios bancários e financeiros rumores de que ele é apenas "laranja" de poderosos grupos ou pessoas que precisam ser desmascarados. Lavagem de dinheiro não está descartada. Vamos entrar fundo nesse "imbróglio". Intocável que já foi presidente da Fundação Bienal de São Paulo, por vários anos, circulou sempre com desenvoltura pelos gabinetes mais importantes. Parece ser um dos mais influentes lobistas de Brasília. Capitalizou como poucos sua influencia como banqueiro, patrono das artes e dono de invejável rede de contactos no Brasil e Exterior.

Um dos responsáveis pela entrada no Brasil do banco BCCI, que deu golpe de 15 bilhões de dólares em 60 países e é suspeito de ligações com tráfico internacional de drogas e de armas. Denunciado à CPI, que investigava irregularidades de P.C. Farias, como homem chave de seu esquema junto aos fundos de pensão. Participou ativamente da campanha de Collor à presidência da República. Tem uma folha corrida de fazer inveja.

Banqueiros golpistas sempre viveram sob o manto protetor do governo central. FHC deu 40 bilhões de reais para proteger sistema. Assim foi com Ângelo Calmon de Sá, presidente do Banco da Bahia, que singra os mares a bordo de luxuoso iate pago pelo povo, pescando marlins. Outro espertalhão, José de Andrade Vieira, ex-ministro de Estado, se refestela em uma de suas muitas fazendas. Não esquecer a figura de Cacciola, que deu golpe de um bilhão e meio de dólares. Preso, foi solto por "habeas-corpus", concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Euclides de Mello.

Grupos financeiros honrados e tradicionais já descartaram interesse na compra do Banco Santos. Rumores desmentidos, como não poderia deixar de ser, indicam que outras instituições financeiras de pequeno porte estão sofrendo fuga de depósitos. Ninguém honrado quer meter mão na cumbuca porque, pelo andar da carruagem, contém um verdadeiro mar de lama. A arapuca precisa ser liquidada extra-judicialmente com urgência pelo Banco Central, que dormiu no ponto. Espera-se que as autoridades não percam, mais uma vez, a oportunidade de punir exemplarmente. Chega de dar guarida para esse e muito outros colarinhos-brancos. É o que se espera.

Aposentadoria milionária para poucos privilegiados

Torturar, matar, conspirar e escrever contra valeu a pena. Pecúlio e gorda pensão alimentícia pelo resto da vida. Esse o premio para a esquerdinha festiva tão conhecida, que um dia brincou de ser revolucionária e continua mamando nas tetas do governo.

Indenizações e pensões milionárias concedidas a dezenas de privilegiados. São aqueles que "lutaram" contra a "ditadura". Foram derrotados pelos militares, mas acreditam que agora, por terem vencido no campo ideológico, têm legitimidade para todo e qualquer ato.

Sombra e água fresca é o sonho de quem dedicou a vida ao trabalho ininterrupto. Nem todos, porém, conseguem. Maioria de brasileiros se aposenta com proventos indignos, que mal dão para sua sobrevivência. São vítimas de uma previdência social falida porque governos garfaram recursos dos trabalhadores para obras como Brasília, Ponte Rio Niterói e muitas outras, além da corrupção reinante no sistema.

Mas, como somos um país de jeitinhos e maracutáias, surgiu grupo de dezenas de privilegiados, recebendo muitos milhões de reais de indenizações e gordas aposentadorias para ser usufruídas até fim da vida. Muitos deles portadores de profissões liberais, destacando-se jornalistas e pretensos assessores de imprensa que não lembram nem em quais empresas extintas "trabalharam". Faz mais de quarenta anos.

Muitos recebendo sem ter tido nenhuma participação no episódio. Jeitinho brasileiro. Empresários que enriqueceram, faliram, já se aposentaram e agora estão sangrando novamente a "viúva".

Retrato do Brasil. Maioria que sempre sapou sem brincar de revolucionária está aí, quase na miséria, recebendo aposentadoria de fome.

P. S. – A coluna estava pronta quando o juiz da 1a. Vara da Justiça Federal, da cidade de Guaratinguetá-SP, acolheu liminarmente representação do Ministério Público Federal contra a "balburdia das indenizações e aposentadorias milionárias propiciando sangria dos cofres públicos e favoritismos pela rapidez na concessão de pedidos em detrimento de outros". Prestação mensal não pode ser superior a 2.400 reais, teto máximo estabelecido pelo INSS.

Segundo o magistrado Paulo Jorge, "é atentatório aos princípios constitucionais de construção de uma sociedade livre, e solidária que pessoas sem a menor necessidade recebam amparo do Estado, enquanto milhares de pessoas passam fome e para conseguirem um mísero benefício de um salário mínimo do INSS precisem sofrer todo tipo de agruras". Falou e disse. Acabou a farra do boi. Provisoriamente. STJ precisa confirmar. É o que se espera.

(Assis Corrêa Neto é jornalista e escritor - assiscorreaneto@uol.com.br )

E-mail para O JORNAL

Volta à 1.ª página