Computador2.gif (31302 bytes)

INTERNETEANDO

Sérgio Quintella da Rocha
serginhoqr@uol.com.br

Só Jesus salva

Certa vez, recebi uma piadinha meio besta, mas que serve de ilustração. Era Deus versus o Diabo, disputando quem escrevia o maior número palavras (no computador, claro!) em 24 horas. Enquanto o Senhor digitava lentamente, o Capeta escrevia 2500 vocábulos por hora. No final, o "Word" do nosso amigo de rabo travou (nenhuma novidade). Nem preciso falar quem ganhou.

Maniqueísmo à parte, quantas vezes você teve de digitar novamente aquele trabalho acadêmico, ou mesmo aquela letra de música, por não ter salvo o documento antes de uma queda de energia, por exemplo? Imagine, então, o que acontece com uma empresa que se nega a armazenar suas informações comerciais e financeiras? O estrago pode ser bem maior.

A solução? Fazer backup, oras!

Até alguns anos atrás, era do disquete a função de comportar dados. Com o passar do tempo (uma década, mais ou menos), com arquivos cada vez mais pesados, os velhos disquinhos foram ficando para trás. Apareceram os CDs graváveis (CD-R) e regraváveis (CD-RW), com capacidade para guardar até 800 MB de arquivos.

Senta que lá vem história

É mister afirmar que a Internet é uma das maiores invenções de todos os tempos. Já que tudo é tão bom assim (excetuando, claro, os problemas que antes nem sonhávamos que poderiam haver), que

tal você fazer um backup virtual de músicas, vídeos, fotos e arquivos de texto? Uol e Terra mantém serviços de discos virtuais. O primeiro, com capacidade de 20MB, pode satisfazer o usuário que quer guardar em servidores suas 5 músicas. Já o Terra, que toma conta de até 50 MB, pode armazenar não 5, mas 9 canções. É muito pouco.

Uma boa saída pode ser o Gmail (www.gmail.com), que pertence ao gigante Google (www.google.com). É uma conta de e-mail, que também é POP3, ou seja, dá pra receber mensagens no Outlook. O espantoso é sua capacidade: 1 GB. Agora, sim, você nunca mais vai ter problema de espaço. Sabe quanto custa? Nada. É de graça. A única condição é a mesma que o Orkut usa: tem que ser convidado para acessar o conteúdo.

Por falar em Orkut

Não é novidade nenhuma que a mais famosa rede de relacionamento do mundo é capaz de reunir, mesmo virtualmente, amigos de infância, ex-colegas de ginásio, e por aí vai. Passado algum tempo, e levando embora o quesito novidade, o que sobra do Orkut são só os contatos que aparecem na tela.

Tá complicado?

Sejamos práticos. Sem contar conversas via e-mail e telefone, com quantas pessoas você se encontrou graças ao Orkut? Eu posso contar nos dedos: uma.

Surgem teses, aparecem psicólogos falando, assim como especialistas em comportamento. Um verdadeiro boom. A exemplo do que ocorreu com os bate-papos on line.

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página

r="#00FFFF" size="2">Volta à 1.ª página