Computador2.gif (31302 bytes)

INTERNETEANDO

Sérgio Quintella da Rocha
serginhoqr@uol.com.br

ANO NOVO, NADA DE NOVO

Enquanto ainda curtimos a ressaca do "réveillon" e aguardamos o Carnaval para ver o ano começar de verdade, vamos às previsões para 2005. Isso mesmo, a primeira Interneteando do ano dá uma de Mãe Dinah e promove suas previsões sobre o que vai acontecer com o mundo digital e da informática na metade da primeira década do século 21.

Bill Gates. O todo-poderoso da Microsoft vai aparecer em centenas de revistas. E com direito a entrevistas ilustradas com fotos antigas, quando ele ainda usava óculos enormes e sua fisionomia de "nerd" (com todo o respeito) era mais acentuada. Assuntos? Como a Microsoft começou, as batalhas judiciais contra as acusações de monopólio, temas ligados à sua fortuna, família etc. Ah, não poderão faltar questionamentos para o futuro, como: "Como o senhor vê a informática daqui 20 anos?

Vírus. Ah, os vírus! Sempre eles. Vão aparecer milhares. E sua difusão vai ser cada vez mais por meios eletrônicos, como e-mail, salas de bate-papo ou pelos ICQs e MSN Messengers da vida. E os nomes desses vírus? Tudo depende da época. Se houver novos tsunamis, com certeza aparecerão temas sobre o assunto. Um novo atentado terrorista também servirá de inspiração.

Spams. Essas pragas virtuais não deixarão o internauta em paz neste ano. Propagandas de como melhorar sua vida amorosa, assim como ensinamentos sexuais com certeza farão parte do rol de e-mais comerciais não solicitados. Soluções? Poucas e ineficazes. Aparecerão aperfeiçoamentos de anti-spams mas, ao mesmo tempo, surgirão desenvolvimentos no mesmo nível por parte dos "enlatados" eletrônicos.

Pornografia infantil na Internet. Vai continuar do jeito que está. Aparecerão advogados, médicos, professores e padres envolvidos em difusão internacional de imagens sexuais envolvendo crianças. Eles serão presos e condenados. Só que não servirão de exemplo para ninguém. Vai haver discussão sobre o tema, assim como algumas manifestações. E só.

Crimes digitais. Vão aumentar cada vez mais. Quadrilhas serão presas. Seus chefes - muitos deles sendo jovens hackers - serão acusados de subtrair milhões de reais das contas alheias. 

E vai aparecer algum delegado dizendo que a "organização estava pronta para dar um golpe milionário".

Orkut. Vai perder mais ainda a graça.

Troca de arquivos. Os sucessores do Napster vão permanecer em pé de guerra com a indústria audiovisual. Surgirão novas ferramentas para o usuário comum que, por sua vez, será perseguido pelas empresas que se sentem lesadas pela disseminação de arquivos de áudio e vídeo. Alguns internautas serão processados e condenados a pagar milhões de dólares. Como não terão recursos, tudo ficará na mesma.

Internet no Brasil. Seremos a nova fronteira da internet. Mentira. Já somos. Quem diz é a Organização das Nações Unidas - ONU. Na Conferência para o Comércio e Desenvolvimento, realizada em dezembro último, em Genebra, na Suíça, revelou-se que Brasil, China e Índia aumentaram significativamente sua tecnologia digital. Ao todo, as extensões .br passaram a marca de 3 milhões de páginas. Um aumento de 41,3 % em relação a 2002. Na lista geral, ocupamos a 11º. Colocação entre os países com o maior número de websites, ganhando de países como Austrália e frança.

Faltaram tópicos? Não esquente! Pegue reportagens que saíram na imprensa nos últimos anos e mude a data para algum mês de 2005. Pronto. Eis a receita para novas previsões. Em janeiro de 2006 (2007, 2008, 2009), pegue essas palavras aqui publicadas e substitua pelo ano correspondente. Você vai perceber que deu no mesmo.

Ah, já ia me esquecendo de avisá-los, caros leitores. Essas previsões, salvas algumas denominações novas (como Orkut), foram feitas em 2003. Será que alguma coisa mudou? Nem preciso responder.

Site do mês

www.anacronicas.zip.net

Ideal para aqueles que gostam de escrever, mas não têm espaço para publicar seus textos. Ou, no mínimo, não têm muita paciência para manter um blog. Ou ainda para os que até têm lugar para divulgar seus escritos, mas ninguém os lê.

A nossa coluna também estará no anacrônicas, sob o pseudônimo de, claro, Interneteando.

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página