Brasileiros pagam agora dois quintos dos infernos

Pouca gente se dá conta do significado da expressão "o quinto dos infernos". Surgiu no século XVIII, quando o Brasil pagava a Portugal um tributo de 20% ou 1/5 de tudo o que aqui se produzia. Taxação altíssima, absurda, chamava-se "O Quinto". Recaía principalmente sobre a  produção de ouro. Era tão odiada pelos contribuintes que acabou virando "o  quinto dos infernos".

Quando Portugal resolveu cobrar dos mineradores de ouro todos os quintos atrasados de uma vez, no episódio chamado de derrama, a insatisfação popular desembocou na Inconfidência Mineira, que resultou no enforcamento do líder Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.  

Pois bem, segundo o Instituto Brasileiro de  Planejamento Tributário – IBPT, os tributos consomem hoje 38% do Produto Interno  Bruto (PIB), isto é, praticamente 2/5 (dois quintos) de toda a produção nacional. Embora nossa capacidade tributária seja de 24% do PIB, a carga fiscal é duas vezes maior do que à época de Tiradentes. Estamos pagando, portanto, dois quintos dos infernos.

Esses 2/5 estão distribuídos por 75 impostos e taxas que devoram 48,83% do faturamento bruto das empresas. Daí o sentimento de espoliação reinante. Lança cidadãos e empresas na "informalidade", mais bem definida quando chamada de clandestinidade.

Eis o rol dos atuais dois quintos dos infernos:

Taxa de fiscalização e controle da Previdência Complementar - TAFIC - art. 12 da MP nº 233/2004

Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante - AFRMM - Lei 10.893/2004

Contribuição á Direção de Portos e Costas (DPC) - Lei 5.461/1968

Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT - Lei 10.168/2000

Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), também chamado "Salário Educação"

Contribuição ao Funrural

Contribuição ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) - Lei 2.613/1955

Contribuição ao Seguro Acidente de Trabalho (SAT)

Contribuição ao Serviço Brasileiro de Apoio a Pequena Empresa (Sebrae) - Lei 8.029/1990

Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Comercial (SENAC) - Lei 8.621/1946

Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado dos Transportes (SENAT) - Lei 8.706/1993

Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (SENAI) - Lei 4.048/1942

Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Rural (SENAR) - Lei 8.315/1991

Contribuição ao Serviço Social da Indústria (SESI) - Lei 9.403/1946

Contribuição ao Serviço Social do Comércio (SESC) - Lei 9.853/1946

Contribuição ao Serviço Social do Cooperativismo (SESCOOP)

Contribuição ao Serviço Social dos Transportes (SEST) - Lei 8.706/1993

Contribuição Confederativa Laboral (dos empregados)

Contribuição Confederativa Patronal (das empresas)

Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico - CIDE Combustíveis - Lei 10.336/2001

Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública - Emenda Constitucional 39/2002

Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional - CONDECINE - art. 32 da Medida Provisória 2228-1/2001 e Lei 10.454/2002

Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF)

Contribuição Sindical Laboral (não se confunde com a Contribuição Confederativa Laboral)

Contribuição Sindical Patronal (não se confunde com a Contribuição Confederativa Patronal, já que a Contribuição Sindical Patronal é obrigatória, pelo artigo 578 da CLT, e a Confederativa foi instituída pelo art. 8º, inciso IV, da Constituição Federal e é obrigatória em função da assembléia do Sindicato que a instituir para seus associados, independentemente da contribuição prevista na CLT)

Contribuição Social Adicional para Reposição das Perdas Inflacionárias do FGTS - Lei Complementar 110/2001

Contribuição Social para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)

Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)

Contribuições aos Órgãos de Fiscalização Profissional (OAB, CRC, CREA, CRECI, CORE, etc.)

Contribuições de Melhoria: asfalto, calçamento, esgoto, rede de água, rede de esgoto, etc.

Fundo Aeroviário (FAER) - Decreto Lei 1.305/1974

Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (FISTEL) - lei 5.070/1966 com novas disposições da lei 9.472/1997

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) - art. 6 da Lei 9998/2000

Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização (Fundaf) - art.6 do Decreto-lei 1.437/1975 e art. 10 da IN SRF 180/2002.

Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)

Imposto sobre a Exportação (IE)

Imposto sobre a Importação (II)

Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)

Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU)

Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)

Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza (Imposto de Renda para pessoa física e jurídica)

Imposto sobre Operações de Crédito (IOF)

Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS)

Imposto sobre Transmissão Bens Intervivos (ITBI)

Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD)

INSS - Autônomos e Empresários 

INSS - Empregados

INSS - Patronal

IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)

Programa de Integração Social (PIS) e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP)

Taxa de Autorização do Trabalho Estrangeiro

Taxa de Avaliação in loco das Instituições de Educação e Cursos de Graduação - lei 10.870/2004

Taxa de Classificação, Inspeção e Fiscalização de produtos animais e vegetais ou de consumo nas atividades agropecuárias - Decreto Lei 1.899/1981

Taxa de Coleta de Lixo

Taxa de Combate a Incêndios

Taxa de Conservação e Limpeza Pública

Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental - TCFA - lei 10.165/2000

Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos - lei 10.357/2001, art. 16

Taxa de Emissão de Documentos (níveis municipais, estaduais e federais)

Taxa de Fiscalização CVM (Comissão de Valores Mobiliários) - lei 7.940/1989

Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária Lei 9.782/1999, art. 23

Taxa de Fiscalização dos Produtos Controlados pelo Exército Brasileiro - TFPC - lei 10.834/2003

Taxa de Fiscalização e Controle da Previdência Complementar - TAFIC - art. 12 da MP 233/2004

Taxa de Licenciamento Anual de Veículo

Taxa de Licenciamento para Funcionamento e Alvará Municipal

Taxa de Pesquisa Mineral DNPM - Portaria Ministerial 503/1999

Taxa de Serviços Administrativos - TSA - Zona Franca de Manaus - lei 9960/2000

Taxa de Serviços Metrológicos - art. 11 da lei 9933/1999

Taxas ao Conselho Nacional de Petróleo (CNP)

Taxas de Outorgas (Radiodifusão, Telecomunicações, Transporte Rodoviário e Ferroviário, etc.)

Taxas de Saúde Suplementar - ANS - lei 9.961/2000, art. 18

Taxa de Utilização do MERCANTE - Decreto 5.324/2004

Taxas do Registro do Comércio (Juntas Comerciais)

Taxa Processual Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE - Lei 9.718/1998

Ouvidor da polícia bebe, mata e cai fora

O polêmico ouvidor da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Itajiba Farias Ferreira Cravo (foto), perdeu o emprego no dia 14 do corrente. Foi demitido pelo governador Geraldo Alckmin porque, na antevéspera, conforme os registros policiais, dirigia embriagado um automóvel na Rodovia Manoel Hipólito do Rego (Rio-Santos) e acabou matando um motociclista – o empresário Luiz dos Santos Rodrigues -, no quilômetro 174, município de São Sebastião, litoral norte paulista, ao abalroar sua moto de frente.

Preso pela Polícia Rodoviária Federal e entregue à Polícia Civil, foi autuado em flagrante no 2.º DP de São Sebastião. Passou a noite detido e pagou fiança para responder em liberdade ao inquérito sobre homicídio culposo e embriaguez ao volante.

O ex-ouvidor responde a outro inquérito na Delegacia Seccional de São Sebastião sob acusação de racismo. Na madrugada de 9 de janeiro último, foi detido no restaurante Companhia das Índias, na Praia de Boracéia. O dono do estabelecimento, Álvaro José Pereira Dajon, chamou a polícia porque Itajiba se recusou a ser atendido por um garçom negro e provocou tumulto. Acompanhado por um jovem, já chegara alcoolizado.

Na delegacia, o acusado negou o ato racista, afirmando: "Me recusei a ser atendido pelo garçom porque ele não prestou um bom serviço. O vinho estava quente e o camarão era pequeno".

Vinte anos de poder civil no Brasil

No plenário do Senado, estavam mais de dez ex-ministros do primeiro governo civil depois do regime militar, entre eles o então ministro do Exército, general Leônidas Pires Gonçalves, apontado como quem ajudou a garantir a posse do vice-presidente José Sarney no lugar de Tancredo Neves, há 20 anos. Nas galerias lotadas, a presença discreta de uma senhora idosa, que chegou amparada – dona Antônia Gonçalves de Araújo, ex-secretária de Tancredo Neves. Na Mesa Diretora, Aécio Neves, neto de Tancredo e hoje governador de Minas Gerais, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Nelson Jobim, e o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo.
Foi assim, com plenário e galerias lotados (foto de Geraldo Magela, Jornal do Senado), que aquela Casa realizou dia 15 sessão especial de quase três horas destinada a comemorar o 20.º aniversário do fim do regime militar. A data marca a posse do senador José Sarney na Presidência da República, no lugar de Tancredo Neves, que adoeceria na véspera e morreria no dia 21 de abril daquele ano, em São Paulo, de infecção generalizada.
Discursaram na sessão especial, além de Sarney, o presidente do Senado, Renan Calheiros, o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), o líder do PT, Delcídio Amaral (MS), e quatro senadores que foram ministros de José Sarney: Pedro Simon (PMDB-RS), Marco Maciel (PFL-PE), Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e Jorge Bornhausen (PFL-SC). Estavam inscritos para falar, mas cederam o tempo a Sarney, os senadores Eduardo Azeredo (PSDB-MG), João Capiberibe (PSB-AP), Demóstenes Torres (PFL-GO), Ney Suassuna (PMDB-PB) e Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), que pediram à Mesa para dar seus pronunciamentos como lidos.

Apelo a favor da Sinfonia Cultura

A Fundação Padre Anchieta, entidade mantenedora da TV Cultura e rádios Cultura AM e FM, decidiu dissolver sua orquestra, a Sinfonia Cultura, alegando escassez de recursos.

Em fevereiro último, sob a regência do maestro Lutero Rodrigues, a Sinfonia Cultura fez seu último concerto no Sesc Belenzinho, onde se apresentava desde 1999.
Segundo o presidente da Fundação Padre Anchieta, Marcos Mendonça, a orquestra custava cerca de R$ 3 milhões por ano, sem retorno financeiro. Mendonça comparou a Sinfonia Cultura e a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo: "No mesmo período, a Osesp lançou discos, saiu em turnês, atingiu números expressivos de público." Os músicos da Cultura rebatem: "A Osesp recebeu para isso uma verba oficial de mais de R$ 20 milhões anuais, uma sede própria e, portanto, simplesmente deu retorno a grandes investimentos."
A Sinfonia Cultura e o maestro Lutero Rodrigues receberam manifestações de solidariedade de instituições brasileiras e internacionais. No site
http://www.petitiononline.com/hadls04/

um abaixo-assinado de apoio à orquestra já conta com mais de 5 mil assinaturas e continua aberto a adesões. Está dirigido ao governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, aos deputados, artistas e à imprensa. Eis o que diz o documento, na íntegra:

"A Sinfonia Cultura da Fundação Padre Anchieta é uma orquestra que deve sua existência regente maior da história brasileira: Eleazar de Carvalho. Certa vez, durante uma das crises da orquestra, Eleazar fez um comentário que, para os que com ele trabalhavam, entrou para a história: ‘Nunca vi um país fechar, mas há sempre de haver uma primeira vez’. Sábio maestro.

"O custo da Sinfonia Cultura é baixíssimo, e tem em suas mãos o poder de, via TV, iniciar a juventude (e contemplar os adultos) na boa música, de forma brincalhona - a exemplo do piloto já gravado "Clássicos e Populares", pronto para ir ao ar. O alcance desta inovação, em formato inédito, poderia ser enorme. A SC é também a única orquestra do país que se dedica à música brasileira, essa forma moribunda de arte que tanto deve incomodar os que preferem estimular formas de se fazer dinheiro fácil com ritmos ridículos e letras ignorantes. Para esses, há sempre de haver um espaço na TV e no Rádio.

"A missão do Estado - aqui entendido como poder público em todos os níveis - é apoiar, sustentar, estimular prioritariamente os meios que efetivamente nos tirarão a pecha de terceiro mundo, um imenso Haiti com um punhado de dachas e palácios nas grandes capitais, gente que freqüenta as besteiras de elite com sorriso culto e vistas grossas para a educação, a violência, a prostituição infantil e toda sorte de desgraça de cuja culpa compartilhamos. Só deixaremos de ser piada como país de esgoto a céu aberto e avião presidencial de fazer curvar a Europa quando nos dermos conta de que Cultura é o principal elemento para as mudanças que todos, independentemente de credo político, partidos, religiões, tanto alardeamos.

"O fechamento brusco de uma orquestra é um passo enorme e precedente rumo ao genocídio cultural deste País que tanto amamos.

"Sr. Governador, senhores deputados, artistas, imprensa: não vamos deixar fecharem, pouco a pouco, este País. Mantenham viva, a qualquer custo, a Sinfonia Cultura, que é página de frente da História da Música do Brasil. É também a única orquestra de rádio do País. É a nossa súplica (só nos resta suplicar), que endosso."

Tuma Jr. sai do PPS e entra no PMDB

O deputado estadual Romeu Tuma Jr. acaba de deixar o PPS (Partido Popular Socialista) para ingressar no PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro). Em carta aos eleitores e à imprensa, o parlamentar comenta:

“Há muito tempo a política entrou na minha vida, fruto da necessidade de defender direitos, propor novos rumos para a solução de problemas, sempre ao lado de quem confia em mim. Hoje, como deputado estadual, sei, mais do que nunca, que meu mandato é daqueles que me elegeram, não meu. Todas as minhas atitudes devem ser pensadas e compartilhadas com o povo paulista. Por isso presto contas mais uma vez.” 

Tuma Jr. elogia dirigentes do PPS, especialmente o presidente nacional do partido, deputado federal Roberto Freire, devido à “garra, dignidade e grandeza com que conduz essa missão”, e o ministro Ciro Gomes, seu amigo, que “me fez acreditar que eu poderia contribuir muito na luta pela igualdade e justiça social”.

O parlamentar acentua: “Defendi com unhas e dentes os princípios do partido, de trabalhar incansavelmente em prol da ética na política e na garantia dos direitos dos cidadãos. Por isso fiquei tantos anos em suas fileiras. Fui recebido como um filho. Sob essa bandeira, cresci como político e ser humano. A esses companheiros devo muito e sempre serei grato.”

Ressalta, porém, sentir-se “como um filho que já atingiu a maioridade e percebe que deve buscar seu próprio caminho, voar com as próprias asas, conquistar espaços. Por isso deixo o PPS. Aprendi que fidelidade partidária é um caminho de duas vias. Temos que acompanhar o partido e o partido nos acompanhar.”

O deputado diz que, em sua vida pública, “como policial, delegado e deputado, sempre gostei de desafios. Mais um se descortina. É com muita responsabilidade que ingresso no PMDB, do mestre Ulisses Guimarães, o senhor democracia; do presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, deputado federal Michel Temer; do sempre governador Orestes Quércia; de companheiros com os quais comporei a bancada na Assembléia Paulista”.

Ainda sobre os integrantes do PMDB, Tuma Jr. afirma que por eles sempre teve “enorme admiração”, explicando: “Não é fácil defender os ideais da primeira agremiação política a lutar pela redemocratização do país, a se posicionar contra aqueles que, com a força dos coturnos e de mordaças, tentaram calar o povo brasileiro. Muitos tombaram nessa luta, mas deixaram um legado inestimável para que outros, como eu, continuemos essa missão.” 

E finaliza: “Tenho certeza que, no PMDB encontrarei o espaço que busco para defender meus ideais. Quero relembrar que minha crença maior é na força que vem dos que nos escolheram como seus representantes. Por isso busco esse novo caminho: para concretizar sonhos. Afinal, o sonho que se sonha sozinho é apenas um sonho, mas quando sonhamos juntos, é realidade!”

Cuba: encrenca muito séria à vista

Félix Antonio Bonne Carcassés, René Gómez Manzano e Martha Beatriz Roque Cabello (na foto), ex-prisioneiros políticos cubanos e co-autores do manifesto "A Pátria é de Todos", enviaram e-mail a O JORNAL informando que "várias centenas de pequenas organizações independentes, não legalizadas, decidiram coligar-se para formar a Assembléia para Promover a Sociedade Civil e reunir-se pacificamente em Havana no próximo dia 20 de maio, com a finalidade de debater caminhos para democratizar Cuba". Os três declaram-se membros do Grupo Executivo daquela assembléia, que mantém o site www.asambleasociedadcivilcuba.info

A mensagem diz ainda: "A Cuba atual está dominada por um regime comunista similar aos que, em 1989, se extinguiram no Leste europeu. Há mais de 46 anos, o poder é exercido por um mesmo homem e existe um partido único, não se permite discordar das políticas oficiais e a Anistia Internacional declarou Cuba como o país com o maior número de presos de consciência no mundo. No campo econômico, o povo está deprimido pela miséria: o salário médio mensal não alcança 10 dólares. Enfim, se violam todos os direitos humanos."

No final do e-mail, além de pedir apoio para sua causa, Martha Beatriz Roque Cabello apresenta o seguinte endereço para receber correspondência: marthabeatrizroque@yahoo.es

Medicina Alternativa de A a Z: acusação de fraude

De acordo com a revista Veja, o livro Medicina Alternativa de A a Z, um dos maiores best-sellers do País no momento, não passa de uma fraude. Sem assessoria médica, seus autores ensinam a "tratar" de doenças com ingredientes frugais. Por exemplo, no caso de diabetes, o livro indica a ingestão de suco de berinjela com argila. Apesar disso, já ultrapassou a marca dos milhões de exemplares vendidos ao preço de 62 reais graças a maciça campanha publicitária em horários de grande audiência na televisão. Milhões de reais foram gastos em "testemunhais" (anúncios nos quais o apresentador presta "testemunho" sobre a qualidade do produto anunciado) em programas como do Ratinho, Hebe Camargo e Gugu Liberato.

Afirma a revista Veja que o autor do livro – Carlos Nascimento Spethmann – não existe. Seus editores, o carioca Luiz Carlos da Silva e o paulista Marcos Spethmann Quiroga, são ex-vendedores de livros de porta em porta e a obra é a única lançada pela Editora Natureza, sediada na cidade mineira de Uberlândia.

Sobre a autoria, eles deram quatro respostas diferentes e acabaram confessando: Carlos Nascimento Spethmann não é uma pessoa e sim um composto dos nomes dos dois donos da editora e de um ex-parceiro, o jornalista Eliseu do Nascimento e Silva. Coube a este redigir o manual.

"Não ouvi médico nenhum", diz Nascimento. Hoje afastado do negócio, ele não recebe nada pelas vendas. É professor de jornalismo numa faculdade paulista e mestrando em semiótica na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Revela que simplesmente compilou e adaptou para a linguagem da auto-ajuda textos extraídos de livros de medicina alternativa lançados pela Editora Missionária A Verdade Presente, que pertence à Igreja Adventista do Sétimo Dia Movimento de Reforma – a mesma editora para a qual todos eles trabalhavam.

Luiz Carlos da Silva e Marcos Spethmann Quiroga notificaram judicialmente a Editora Missionária A Verdade Presente por ter lançado uma obra de formato semelhante ao deles. Assim, a Editora Natureza teria copiado a Editora Missionária que, agora, a estaria copiando de volta. Um plágio do plágio.

Impunidade de Marta derruba Lei de Responsabilidade Fiscal

Para salvar a ex-prefeita Marta Suplicy (PT-SP) das penas da Lei de Responsabilidade Fiscal (multa e até 2 anos de reclusão), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva baixou uma Medida Provisória que enfraquece essa lei, cujo objetivo é exatamente impedir o descalabro administrativo nos municípios.

A situação irregular na Prefeitura de São Paulo fora apontada pelo ministro da Fazenda, Antônio Palocci, em ofício ao Senado Federal. Segundo o documento, quando dirigia a Prefeitura paulistana, Marta (foto) teria descumprido também a resolução 43/2001 do Senado, que fixa limite de endividamento para Estados e municípios. Palocci informou que ela fez operação de crédito para iluminação pública sem autorização.

É obrigação do ministro da Fazenda informar o Senado sobre casos desse tipo. Mas, a primeira iniciativa de Palocci nesse sentido foi com relação à ex-prefeita.

Mesmo depois da MP de Lula, a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado ainda pode designar um relator para dar parecer sobre o assunto. Os senadores podem, numa atitude política, legalizar o empréstimo. 

O secretário-adjunto da Secretaria do Tesouro Nacional, Jorge Khalil Miski, admitiu que a operação "carece de regularização", mas é passível de ser legalizada nos termos de outra resolução, a 19/2003. Aurélio Pavão, diretor do Departamento de Iluminação da Prefeitura entre agosto de 2002 e o fim da gestão Marta, disse desconhecer qualquer irregularidade.

Por outro lado, o prefeito José Serra, que substituiu Marta em janeiro último, precisará negociar a dívida que o município acumulou nos últimos anos por não pagar tarifas de água e energia elétrica. Só com a Sabesp o débito chega a R$ 286 milhões. Deste total, 79% (o equivalente a R$ 227 milhões) estão sendo cobrados por via judicial desde dezembro de 2003. Os outros R$ 59 milhões, referentes à dívida de 2004, poderão ser ajuizados até maio próximo.

Fotos marcam Ano do Brasil, na França

Exposições da fotógrafa francesa Catherine Krulik, radicada no Brasil desde 1992, integram as comemorações do Ano do Brasil na França, todas com destaque em espaços especiais de Paris e imediações.

A primeira, aberta o mês passado, no Futuroscope, único parque temático mundial voltado para a Tecnologia e Imagem, exibe 94 painéis gigantescos, expostos ao ar livre. Ficará em cartaz até o final do ano. Duas outras estão no Centro Cultural Clichy-sous-Bois. Sob o tema Les Afriques du Brésil: fêtes, rituels et capoeira (As Áfricas do Brasil: festas rituais e capoeira), mostram a influência da cultura africana no Brasil. A mostra mais recente fica no complexo arquitetônico Cité de La Musique, em Paris, e integra um dos maiores eventos programados, o "MPB, musique populaire brésilienne", acompanhado de shows e documentários.

Catherine Krulik, 39 anos, é o que se costuma chamar de cidadã do mundo. Nasceu em Paris e especializou-se em fotografia na Inglaterra. Trabalhou em Londres, Paris e Madrid. Desde que chegou ao Brasil, atua como fotógrafa free-lance para revistas, jornais e eventos sócio-culturais e empresariais. Tem trabalhos publicados com destaque e algumas capas na imprensa nacional e internacional.

As fotos podem ser vistas na Internet. Para acessar a exposição "Brasil, o País dos Carnavais" (Futuroscope), o endereço é www.krulik.com.br/futuroscope; "Les Afriques du Brésil", www.krulik.com.br/clichy; e a Cité de la Musique, www.krulik.com.br/cite.

Quis encher botijão de GLP com GNV: explodiu

Um acidente, ocorrido no Posto Cem, de bandeira BR, localizado na BR-116, foi mais uma demonstração do perigo que representam as gambiarras para improvisar o uso automotivo de gás. Por economia, um espertalhão tentou encher um botijão de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) com GNV (Gás Natural Veicular) enquanto abastecia seu veículo. Colocara o botijão escondido sob um carpete, nele ligando a tubulação que deveria estar conectada apenas ao cilindro de gás natural.

Naturalmente, conseguiu encher o botijão de GLP com GNV. Só que ele suporta uma pressão máxima de 15 atmosferas, enquanto o cilindro próprio para GNV é projetado para pressões que vão de 180 atm até 220 atm. E ocorreu violento rompimento do botijão com deslocamento de ar, sem fogo, suficiente para destruir o veículo. Peças voaram a mais de 80 metros de distância. Por pura sorte, não causaram ferimentos a ninguém. As fotos mostram o resultado da "engenhosidade".

ONGs manipulam parentes de vítimas de bandidos

Jorge Damus, pai do jovem Rodrigo Balsalobre Damus, 20 anos, trabalhador, estudante de Jornalismo (2º ano da FIAM), vítima de latrocínio em 27/09/1999 na Avenida Giovanni Gronchi, em São Paulo, divulgou comovente depoimento na Internet como um alerta contra organizações que intentam amenizar a situação de facínoras. Eis o que diz Damus:

"O Rodrigo foi abordado em um farol de trânsito por quatro indivíduos e assassinado friamente por um menor de 18 anos (17 anos e 362 dias de idade) acompanhado de três maiores de 18 anos. Rodrigo foi tirar o cinto de segurança após ter colocado o carro em ponto morto e acionado o freio de mão.

"Frios, cruéis e perversos, o assassinaram por motivo fútil. Não levaram nada. Queriam o carro dele (um Gol 1996), para vender no desmanche e com o dinheiro, cerca de R$ 500,00, fazer uma festa de 18 anos para o menor com muita mulher, churrasco e bebidas. Todos trabalhavam e viviam com suas famílias em casas próprias. Tinham o 2º grau completo.

"Na atual guerra civil instalada em nossas cidades – desigual, pois somente um lado está armado, o dos criminosos – a pena de morte é decretada pelos marginais, quando você olha para eles, não tem dinheiro, se assusta ou vai tirar o cinto de segurança. Por isso, vemos todos os dias cidadãos de bem serem abatidos. Vidas interrompidas, sonhos destruídos, em suas residências ou no trânsito. Vítimas de seqüestros sendo torturadas e mortas, enterradas no fundo de uma cova fria e úmida de algum cemitério. Enfim, não existe mais lugar seguro, pois se perdeu o controle sobre os marginais cada vez mais fortes e poderosos, sem medo da polícia.

"Aos parentes de vítimas de crimes eu recomendo CUIDADO! Devem estar atentos para não servirem de laranjas ou serem manipulados por ONGs como a Eu Sou da Paz ou Viva Rio e também por outras associações e veículos de comunicação envolvidos nessa campanha de perdão para criminosos, de entrega, de rendição e de conformismo.

"Eles encarnam em vocês como abutres. Tentam, e por vezes conseguem, fazer uma verdadeira lavagem cerebral, incutindo nas cabeças dos parentes de vítimas a defesa dessas organizações e de sua posição frente à questão do desarmamento dos cidadãos de bem, de se entregar ao agressor, do perdão hipócrita aos assassinos, da entrega nas mãos de Deus, do afirmar que, se Deus quis assim, o que fazer?

"Dizem que seu filho está melhor agora. Morto? Deus não quer que seus filhos morram assim! Reajam, acompanhem o processo. Verifiquem se os assassinos de seus parentes foram presos ou continuam presos, falem com os promotores do caso. Lutem para que leis mais severas sejam implementadas. Reajam! Lutem para que não tenhamos mais pais chorando a morte prematura de seus filhos.

"Parentes de vítimas, olho vivo nessas organizações que recebem dinheiro de todos os lados, inclusive do Exterior, e das quais não sabemos sequer como prestam contas aos colaboradores e quais os interesses dos mesmos. Pensem bem, não deixem que seus parentes tenham ido em vão. 

"A nós, vítimas, não restou somente levar flores ao cemitério. Temos a responsabilidade de, se pudermos, pelo menos lutar para evitar que outros passem pela mesma dor que passamos. Lembrem-se: ‘Quando se poupa o lobo, condenam-se as ovelhas’, como já alertava São Thomaz de Aquino."

Uruguai reata relações diplomáticas com Havana

O Uruguai restabeleceu relações diplomáticas com Cuba em seguida à posse presidente Tabaré Vázquez. Foi uma das primeiras ações do novo governo de tendência socialista. Os chanceleres Felipe Pérez Roque, cubano, e Reynaldo Gargano, uruguaio, assinaram e trocaram os documentos que normalizam as relações interrompidas pelo presidente anterior, Jorge Batlle.

A cerimônia de reatamento – primeira medida internacional adotada por Vázquez , segundo as agências noticiosas internacionais – aconteceu na Casa de Governo, em Montevidéu, com a presença do presidente. Ele disse que recebia com prazer os cubanos novamente no Uruguai como sinal da unidade latino-americana.

Cubanos e canadenses atrás de níquel e cobalto

Com a participação do presidente Fidel Castro e de Ian Delaney, dirigente da empresa canadense Sherrit International, foi assinado neste mês um acordo para expandir as atividades conjuntas cubano-canadenses na empresa Pedro Soto Alba, em Moa, e na refinaria de níquel, no Canadá.

Conforme a agência AIN, o projeto envolve financiamento de 450 milhões de dólares, dividido por igual entre ambas as partes. A ampliação permitirá um aumento da produção de Pedro Soto Alba em 16 toneladas anuais de níquel e cobalto, bem como a substituição da tecnologia existente na refinaria do Canadá por outra mais eficiente, de maneira a refinar toda a produção daquela usina. Somando esse resultado ao das usinas Che Guevara, René Ramos Latour e Ferro-Níquelífera, alvos de recente acordo com uma empresa chinesa, a produção cubana de níquel e cobalto deverá chegar a 121 mil toneladas nos próximos dois anos e meio.

Tiroteio em Rio Acima: esporte e ação

Dias 25 e 26 do corrente, os afeiçoados ao tiro esportivo terão oportunidade de satisfazer todo o seu desejo de adrenalina e emulação. A cidade de Rio Acima, terra das cachoeiras, a 30 quilômetros de Belo Horizonte, Minas Gerais, mais uma vez se abre a um evento do gênero: o I torneio Nacional Open de IPSC, organizado pela Confederação Brasileira de Tiro Prático, Federação Mineira de Tiro Prático e pelo Clube Áquila. Somente a paisagem montanhosa e a natureza exuberante já justificam a viagem.

O Clube Áquila foi fundado em agosto de 1999 e oferece 10 pistas de tiro. Mais informações podem ser obtidas com Renata Fontes, pelos telefones (031) 3264-4341 e (031)9908-4535 ou pelo endereço RENATAFONTES@CBTP.ORG.BR . Outros contatos: Áquila Clube de Tiro Prático , Rua Ribeiro Machado, 150, Cocho D'Água Acima, MG, CEP: 34300-000, com Alessandro Salvi - (031) 8705-0000 e (031) 3281-0300

Eleições na Acrimesp confirmadas pela Justiça

O juiz Ademir Modesto de Souza, da 10ª Vara Cível da Capital paulista considerou válida a eleição na Acrimesp – Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo, realizada em 17 de fevereiro de 2004, quando foi eleita a advogada Vitória Nogueira para presidir a entidade. Em 24 de novembro do ano anterior, o então presidente Ademar Gomes anulou a primeira eleição, devido a irregularidades atribuídas ao candidato Carlos Alberto Manfredini.

Manfredini e Joel Rebelato de Melo, candidatos a presidente e secretário adjunto, respectivamente, não se conformaram e tentaram anular na Justiça a eleição posterior, realizada para a Diretoria Executiva e para o Conselho Deliberativo. Mas, o juiz manteve agora o resultado do pleito. Declarou também a ilegitimidade ativa "ad causam" de Joel Rebelato de Mello, pois além de inelegível, porque estava inadimplente, foi excluído do quadro de associados da Acrimesp após ter sido notificado para saldar o débito. 

Acrescentou o magistrado que a eleição de fevereiro de 2004 foi convocada e realizada na forma prevista no Estatuto. Ademais, ao contrário do que sustentaram Manfredini e Joel, havia razões relevantes para a anulação do pleito de 24 de novembro de 2003, tendo em vista as irregularidades ocorridas durante a votação.

Os autores foram condenados em custas e despesas processuais, além de honorários no valor de R$ 2 mil.

Como reconhecer o AVC (derrame)

Um AVC (acidente vascular cerebral ou, popularmente, derrame) pode produzir muito estrago e até levar à morte se não for reconhecido de imediato. Mas, os sintomas são de difícil percepção para leigos, daí um grupo de médicos estar aconselhando um teste simples para salvar vidas ou minimizar os efeitos do AVC através do pronto atendimento. Esses profissionais apresentaram suas conclusões à American Stroke Association (EUA) há um ano.

O procedimento é o seguinte: peça à pessoa que está passando mal para rir; peça-lhe em seguida que levante os dois braços; solicite-lhe finalmente que diga uma frase simples. Se ela demonstrar dificuldade nessas ações, chame imediatamente o pronto-socorro e informe os sintomas a quem atender ao telefone.

Um açúcar para controlar diabetes

Pesquisadores do Instituto de Botânica de São Paulo e da Universidade Federal de Lavras (UFLA) extraíram do capim-favorito - gramínea que cresce à beira de estradas - um tipo específico de açúcar chamado betaglucano, capaz de diminuir a quantidade de glicose no sangue, como demonstraram experimentos realizados com ratos. A informação foi publicada na Revista Pesquisa Fapesp:  http://revistapesquisa.fapesp.br/

O excesso de glicose no sangue leva à dificuldade de cicatrização, à cegueira ou mesmo a graves problemas cardíacos.

Estudos feitos no Canadá, Suíça, França, Suécia e Japão com grupos de voluntários humanos consideram esse açúcar como um recurso a mais para tratar um problema que atinge 150 milhões de pessoas no mundo inteiro, 10 milhões só no Brasil.

Uma equipe de suíços já havia comprovado que o betaglucano, mesmo em
concentrações baixas, reduz até 50% a taxa de glicose no sangue. Além disso, bastariam 3 gramas diários dele para derrubar também o colesterol ligado a lipoproteínas de baixa densidade (LDL), uma espécie de gordura que promove a formação de placas nas paredes dos vasos e dificulta a circulação do sangue.
Na França, um estudo recente confirmou esses ganhos com 13 portadores de diabetes do tipo 2, quando o organismo não aproveita totalmente a insulina que produz, enquanto no Canadá outro trabalho com 16 diabéticos também do tipo 2 (dez homens e seis mulheres) evidenciou o valor de uma dieta rica em cereais como forma de reduzir a glicemia - provavelmente porque os cereais contêm betaglucano.

Os pesquisadores brasileiros entraram na pista do betaglucano há três anos, quando, em seu doutorado, Ana Cardoso constatou o efeito antidiabético do chá feito com as folhas daquela gramínea de origem africana também chamada de capim-natal ou capim-gafanhoto. Com até 30 centímetros de altura, tem flores púrpura e folhas curtas e avermelhadas, quando estão sob o sol contínuo, ou verdes como as da cana-de-açúcar, mais largas e longas, se crescem à sombra. Mas, ingerir o chá sem controle pode ser perigoso. Uma mulher não diabética, freqüentadora do laboratório, resolveu arriscar. Zonza durante dois dias, imaginou que a pressão arterial houvesse caído. Mas, provavelmente, ficará com o teor de açúcar no sangue demasiadamente baixo.

Chá verde tem substância anticâncer

De Londres, a Agência Reuters informa que cientistas espanhóis e britânicos descobriram como o chá verde ajuda na prevenção de certos tipos de câncer. Pesquisadores da Universidade de Murcia (Espanha) e do Centro John Innes (na Grã-Bretanha) mostraram que uma substância conhecida como EGCG está presente na bebida evita a multiplicação das células cancerígenas ao impedir a união delas com uma certa enzima.

"Mostramos, pela primeira vez, que o EGCG, presente no chá verde em concentrações relativamente altas, inibe a ação da enzima dihidrofolato redutase (DHFR), um alvo de remédios de combate ao câncer", disse Roger Thorneley, do Centro John Innes. O chá verde possui até cinco vezes mais EGCG que o chá comum. Seu consumo diminuiu a incidência de alguns tipos de câncer, mas os cientistas não sabiam dizer como isso havia acontecido. E nem tinham determinado quanto chá verde uma pessoa tem de tomar para usufruir do efeito benéfico. O EGCG é apenas uma de substâncias anticâncer presentes no chá.

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página