O JORNAL - N.º 34 - Maio/2005 - São Paulo - Brasil - Página Interna

A MATRACA
Assis Corrêa Neto

TRABALHADOR MAIS POBRE

Verdadeiro presente de grego. É o que representa o pífio e ridículo salário mínimo em vigor desde o início do mês. É a tunga do que Lula sempre prometeu: dobrar o mínimo em quatro anos. Irrisório aumento de pouco mais de onze por cento. Enquanto isso, a renda continua caindo e empobrecendo principalmente a classe média.

GOVERNO: TIREM O TRAZEIRO DO SÓFÁ

Receita boa a de Lula. Deveria ser utilizada por todo o governo que está estagnado e ainda não encontrou o seu rumo. Programas como o Fome Zero e Primeiro Emprego não saíram o papel ou têm desempenho sofrível.

Produção estiolada pela fúria arrecadadora, juros pornográficos anulando crédito e fazendo crescer a inflação, desemprego acelerado, calote crescente alcançando em março quase 25 por cento, portos estagnados, rodovias destruídas, saúde precária com doentes morrendo nas filas do INPS e de hospitais, parturientes dando à luz em sofás e corredores de maternidades. Governo cuida da propaganda, enquanto frustra a esperança de todos, depois de lhes oferecer o paraíso.

Crescimento de 2,4% em 2004 foi bastante medíocre, considerando o resultado de 2003, quando a conjuntura permaneceu extremamente favorável. Em 2004 ocorreu o maior crescimento de economia mundial nos últimos quinze anos. Mundo como um todo cresceu 5,1%, comércio mundial 15%, países emergentes (incluindo Índia e China) cresceram 6%, latinos 5,9% e africanos evoluíram numa média de 4,5%.

Ficou patente uma economia sem rumo, com dinheiro escorrendo pelo ralo da corrupção. Ministros, altos dignitários, magistrados, policiais, muita gente envolvida em negócios escusos. E Lula a dizer que, até prova em contrário, merecem confiança.

Errado. Mulher de César não precisa apenas ser séria. É preciso parecer!

Por outro lado, mordomias e gastos sem limite, extrapolando Lei de Responsabilidade Fiscal em vigor há cinco anos sem efeito positivo. Governo, o grande incentivador de gastos públicos.

Com todo este festival de besteiras, embromação e má fé, o País está virando mazorca. Até quando? Segundo o Instituto de Estudos Para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), a indústria brasileira está na ante-sala da retração por causa de uma série de equívocos cometidos pela equipe econômica, principalmente no câmbio. Já está ocorrendo uma estagnação e, se nada for feito, estraremos em sério processo recessivo.

FORA COM O TERRORISMO

Causou profunda repulsa posicionamento brasileiro ao assinar a declaração da Reunião de Cúpula entre latinos e países árabes. Sob o pretexto de tratar das relações comerciais, o encontro descambou para a justificação do terrorismo. E demonstrou o esforço do governo Lula para importar uma guerra, em confronto com a vocação pacífica do povo brasileiro. Uma guerra que não é nossa.

Não se conseguiu ou não se quis evitar a politização da reunião que, na realidade, só serviu para acirrar os ânimos entre israelenses e palestinos. E, de sobra, para deixar o Brasil mal aos olhos de países amigos que sofrem com o terrorismo, como os Estados Unidos, Rússia e Espanha. "Ingenuidade" do Itamarati ao julgar que o encontro, pretensamente destinado à melhoria do intercambio entre as duas regiões (aliás, sempre muito limitado), não iria descambar.

É preciso ficar bem claro, se é que ainda não ficou, que não queremos importar guerrinhas particulares. Irresponsavelmente, como sempre fazem, os "homens de vermelho" do Itamaraty não se deram conta de que, no campo das relações comerciais, nenhum dos países árabes será o maior parceiro do Brasil. O potencial de importações do chamado "mundo árabe" é da ordem de 250 bilhões de dólares, mas não chega a 10 bilhões na prática. Além disso, existem muitos foros internacionais para esse tipo de encontro.

Lula precisa parar com esses arroubos de ser inteligente e líder mundial. Tem que cair na real. Agora quer mudar até o conceito de democracia e o mapa do mundo. Chega de utopia.

SAPATEIRO NÃO DEVE IR ALÉM DAS CHINELAS

Diz o dito popular que "sapateiro não deve ir além das chinelas". Bancário que está secretário de Comunicação do governo, Luiz Gushiken, respondeu aos donos de jornais propondo mutirão contra a liberdade de expressão. E tirou o seu da reta. Ignora que meios de comunicação vivem arrochados. População não agüenta mais as arengas veiculadas pela televisão de um Brasil imaginário. É a meia verdade incucada nos ouvintes, idêntica àquelas adotadas por Hermann Goering no auge do regime nazista.

TV brasileira massifica telespectadores muitas hora por dia, divulgando dados e fatos ilusórios, quando não sandices. É a propaganda enganosa. Fica na chinela, Gushiken!

JOBIM QUER PENSAR POLITICA JUDICIÁRIA

Falastrão Nelson Jobim, presidente do Supremo, político de carteirinha, anuncia mais uma: instalação do Conselho Nacional de Justiça, criado no bojo da Reforma do Judiciário que Congresso demorou 18 anos para aprovar.

Começou a luta surda nos bastidores jurídicos para indicação dos conselheiros que receberão polpudos vencimentos. Mais de 400 candidatos. Desta vez não ocorreu o prato feito quando o Congresso geralmente apresenta seus protegidos. 

Segundo Jobim, o CNJ, criado para salvar Judiciário, não se destina a punir juizes corruptos, mas estabelecer uma política nacional para esse Poder. Já vem muito tarde.

Lula levou surra acachapante com derrota de seus candidato para o CNJ e Conselho Nacional de Procuradores. Foram escolhidos candidatos apoiados por Geraldo Alckmin e Severino Cavalcanti. Com mais essa derrota, governo ficou sem representação nos organismos que vão ditar a orientação de nosso sistema judiciário.

BRASIL VOLTA A PISAR NA BOLA

Política inconseqüente, prepotente e esquerdista continua a prejudicar o Brasil, que agora quer ficar líder latino-americano na marra. Lula, na sua ânsia desesperada de aparecer, quer tornar-se o líder do hemisfério a qualquer preço, contra a tudo e contra todos. Por dispor da maior população e do maior potencial científico e tecnológico da região, Lula se acha o rei da cocada preta e, por isso, brasileiros teriam a obrigação de colocar-se à frente dos países vizinhos.

Política de equívocos, conduzida pelos esquerdistas Celso Amorim, chanceler, e Samuel Pinheiro Guimarães, secretário-geral do Itamarati, vem proporcionado inúmeras demonstrações de incompetência, como a derrota para integrar a Organização Mundial de Comércio. Na realidade, estamos descurando de nossa área de influência, que é o Mercosul, para mergulhar na aventura de criação da Comunidade Sul-Americana de Nações, da esfarrapada comunidade das Nações Andinas, colagem do Mercosul.

AÉREAS ESTÃO ABRINDO O BICO

Falência nos áureos tempos era demonstração de incompetência e má gestão dos negócios. História dá conta do Barão do Rio Branco, industrial, banqueiro, comerciante e homem de muitas outras atividades, que chegou à falência. Perdeu tudo. Ficou na miséria.

Hoje, falência ficou sendo um dos negócios mais promissores. Durante quase duas décadas dormiu no corredores do Congresso Nacional projeto da Lei de Falências, que foi mais retalhado que carne verde.Todos os tipos de lobbies foram desenvolvidos. Emplacou sob medida para favorecer empresas aéreas que estão capengando.

Vários segmentos em situação pré-falimentar já afiaram as garras. Preparados para um dos maiores golpes do século, que é a indústria das falências. Débitos fiscais, previdenciários e outros vão para o espaço, enquanto credores também ficam a ver navios. A Xapecó, tradicional empresa de laticínios, já abriu o bico, tungando credores em mais de um bilhão de reais. Dirigentes com bolsos cheios e fornecedores na pitanga.

Varig, Vasp e Transbrasil devendo dez bilhões de reais ao fisco. Estão em situação parecida. Há muita gente grossa envolvida, passando pelo Planalto e altos escalões. É preciso acabar com essa novela.

ENSINO CONTINUA NO FUNDO DO POÇO

Verdadeira calamidade o resultado do primeiro exame do ensino superior brasileiro que substituiu o Provão. Os maiores conceitos corresponderam a avaliação de apenas quatro e cinco pontos. Na metade das 1.427 faculdades das áreas de Ciências da Saúde avaliadas, a média de aprovações foi sofrível. 

Exame mostrou que o ensino superior contribuiu pouco para a formação geral do estudante. Esse resultado vem demonstrar sobejamente que as universidades quase nada ensinam na formação geral dos alunos. Mais um programa governamental a dar com os burros n'água: reforma universitária prometida desde o inicio do governo e que ainda não saiu do papel.

CIÊNCIA EM AÇÃO

Em tempo de noticias tão negativas, é confortador saber que, a despeito das minguadas verbas para ciência e tecnologia, os avanços na busca de medicamentos e outros produtos para melhorar a saúde da comunidade continuam a passos largos. 

Ainda agora cientistas revelam que não é só das florestas que pode sair a cura de doenças. No que diz respeito à produção de moléculas ativas, os seres marinhos não ficam nada atrás da biodiversidade terrestre, apesar de não ter o mesmo apelo popular de uma mata verdejantes ou seus sapinhos coloridos.

Estudo de 35 espécies do litoral paulista revelou pelo menos três substâncias com atividade farmacológica contra tuberculose, leishmaniose e candidíase. Está longe de colocar algum medicamento nas prateleiras, mas indica sua potencialidade.

Centros de pesquisas e universidades de vários Estados brasileiros estão analisando a passos largos os vários remédios do mar com aplicação farmacológica em escala  industrial. Há longo caminho a percorrer, estimado em dez anos. É a esperança no potencial farmacológico da biodiversidade marinha.

MALANDRO NO XILINDRÓ

Espertalhões, malandros e estelionatários conseguem levar vantagem com cobertura do governo. Ainda agora, Banco Central mostrou ser useiro e vezeiro em proteger esse tipo de gente. Demorou três anos para colocar as mãos em Edemar Cid Ferreira, que quebrou o Banco de Santos e garfou 2,3 bilhões de reais, inclusive do PT.

Dono de mansão de 50 milhões de dólares, no Morumbi, amealhou coleção de arte milionária, incluindo Di Cavalcanti e Manabú Mabe. Possui altar barroco do século XIX, coleção de mapas de valor histórico inestimável, alem de mais de oito mil itens de objetos do mesmo valor. Tem empresa registrada em paraíso fiscal do Caribe e tornou-se figura freqüente nos bastidores brasilienses. 

Quando esteve na China, Lula inaugurou em Beijin núcleo de estudos patrocinado pelo Banco de Santos.

Embora de copa e cozinha com poderosos, Edemar não teve tempo de transformar seu estabelecimento em banco de varejo para clientes de alta renda, a despeito dos 250 milhões de reais que gastou para molhar a mão de cupinchas. 

É o retrato do Brasil. Paraíso de banqueiros picaretas que, somente no governo FHC, causaram prejuízo de mais de 40 bi ao povão.

Justiça processa a liquidação da arapuca. Espera-se que meliante mude para o xilindró, o que é um pouco difícil, porque no Brasil criminosos de colarinho branco e amigos dos poderosos sempre ficam impunes, torrando o grana que surrupiaram. Até quando?

(Assis Corrêa Neto é jornalista e escritor  assiscorreaneto@uol.com.br )

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página