O JORNAL - N.º 34 - Maio/2005 - São Paulo - Brasil - Página Interna

Sim, somos acomodados
Alessandro Eloy Braga

Sim, Excelentíssimo Senhor Presidente da República, somos acomodados.

Somos acomodados porque aceitamos receber um salário mínimo de R$ 300,00 reais, enquanto os franceses recebem um de R$ 4.000,00. Somos acomodados porque aceitamos pagar juros e encargos contratuais a cartões de crédito e bancos que ultrapassam os 12% ao mês e porque aceitamos que a Caderneta de Poupança renda apenas 0,5%.

Somos acomodados porque aceitamos que o Governo passe a cobrar
novamente contribuição social dos aposentados. Somos acomodados porque permitimos que nossos idosos passem mais de 10 horas em uma fila para receber ou dar entrada em sua aposentadoria. Somos acomodados porque aceitamos que o Comitê de Política Monetária do Banco Central aumente todos os meses a taxa básica de juros e que isso provoque um efeito cascata na economia, fazendo-nos pagar os juros mais altos do mundo em todos os setores do mercado.

Somos acomodados porque aceitamos pagar mais de 40% do valor de tudo o que compramos em impostos e impostos e impostos e impostos e impostos...

Somos acomodados porque aceitamos pagar em impostos retidos na fonte o equivalente a três meses de trabalho. Somos acomodados porque aceitamos transitar em rodovias e avenidas deterioradas e que danificam nossos carros e que provocam tantos acidentes e que matam tantas pessoas, enquanto não sabemos exatamente para onde vão as verbas arrecadadas com a enorme quantia que pagamos em impostos, como o IPVA, CPMF e aqueles cobrados sobre o preço dos combustíveis.

Somos acomodados porque aceitamos colocar nossos filhos em escolas
públicas deterioradas, sem segurança, com profissionais desanimados e
insatisfeitos, com professores que são vistos como os profissionais mais desclassificados da sociedade e que ganham salários que não são suficientes nem para preencher o vazio da barriga, quem diria se alimentar de cultura. Ou como disse o outro Presidente que o antecedeu: os professores são apenas pessoas que não conseguiram ser outra coisa melhor na vida, são derrotados.

Somos acomodados porque permitimos tantas diferenças sociais e que tantos passem fome e vivam abaixo da linha da miséria, porque é evidente que somos nós que fazemos essa distribuição desigual da renda.

Somos acomodados porque permitimos que os madeireiros destruam a selva amazônica e que os norte-americanos e europeus e japoneses roubem nossa biodiversidade e, depois, a  vendam  a nós por preços altíssimos.

Somos acomodados porque ainda comparecemos às urnas de dois em dois anos para escolhermos pessoas que não representam o povo, mas que representam apenas seus próprios interesses.

Somos acomodados porque ainda não resolvemos, todos nós eleitores, anular nossos votos e mostrar nossa descrença em governos como o seu. Somos acomodados porque aceitamos que estes "representantes do povo" façam leis que não beneficiam em nada ou muito pouco o povo ou que aumentem, quando bem entendem, os seus próprios salários, que já passam de R$ 35.000,00, somadas todas as regalias parlamentares.

Somos acomodados porque permitimos as altas taxas de desemprego.

Somos acomodados por vivemos num País em que, para se comprar uma simples geladeira, é preciso dividir seu preço em 24 vezes, com juros falsos de 1% ao mês, quando deveríamos ser capazes de comprá-la à vista.  

Somos acomodados porque permitimos o aumento das tarifas básicas de água, luz e telefone e dos combustíveis, valores que representam as maiores contribuições para o aumento da inflação e que são, em sua maioria, autorizados por esse mesmo governo que chama seu povo de acomodado.

Sim, somos acomodados porque permitimos que nossa segurança pública seja tão precária.

 Somos acomodados porque permitimos que os bandidos (traficantes, ladrões e seqüestradores, além de parlamentares, prefeitos, governadores, ministros e presidentes, entre outros) tomem conta de nossa sociedade e façam deste povo uma simples massa de manobra.

Sim, somos acomodados porque acreditamos que um operário, um homem saído do sofrimento mais rude da seca, um sindicalista, um ex-comunista, um nacionalista fosse fazer algo de significativo pelo País, contra a fome deste povo. Fosse provocar mudanças profundas nas estruturas políticas, econômicas e sociais e por isso fomos acomodados (burros, cegos e crentes) e votamos em Vossa Excelência, e acreditamos no LulaLá sem medo de ser feliz...

Sim, Senhor Presidente, somos acomodados porque somos nós que não
oferecemos uma educação de qualidade, capaz de formar cidadãos críticos,lutadores e não acomodados.

Sim, Senhor Presidente, somos acomodados porque aceitamos que o Senhor vá à televisão e diga palavras tão vis e hipócritas a esse povo que é tão acomodado por não acreditar mais que seja possível mudar algo nesse País de pouquíssimos escolhidos e de muitos apartados.

Somos acomodados porque ainda conseguimos sobreviver nesse Brasil que nem é o nosso.

Sorte a sua, Sr. Presidente Lula,  se somos acomodados. Porque, no dia em que tirarmos o nosso traseiro da cadeira, com certeza  o  senhor  perderá  definitivamente a  sua  aí  em  Brasília. 

Alessandro Eloy Braga é professor de Literatura e escritor, em Brasília-DF

Mensagem para O JORNAL

Volta à 1.ª página